BLOG KAIO SERGIO BARAÚNA

BLOG  KAIO SERGIO BARAÚNA
BLOG DO KAKA

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

FALANDO COMO EX PROFESSOR

EDUCAÇÃO SÓ DINHEIRO NÃO BASTA  

"Pouco vai adiantar colocar mais e mais dinheiro em um sistema inoperante . É preciso reformá-lo", Modifica e renovar colocando mais inovação com projetos de futuro.
Só será possível dar o decisivo passo em prol da qualidade se o país passar a atrair gente talentosa para a carreira de professor não basta ser só professor tem que ideias e leva las para a sala de aula. Não há muito mistério sobre os caminhos, como observa...
Minha opinião e objetiva e direta os nossos professores mereçem mais atenção tudo começa na sala de aula se o professor for bem remunerado irá te prazer em dar a sua aula:
"A única maneira de despertar o interesse de nossas melhores cabeças pela sala de aula é implantando um regime de meritocracia, que lhes dê incentivos e um bom horizonte profissional".
Esse, sim,e um investimento que sabiamente compensa investir em nossos profissionais. Há outro essencial, que não requer dinheiro, mas uma  radical mudança de mentalidade já seria um bom caminho. Muitos teóricos e aferrados a velhas ideologias ainda estão com seus pensamentos voltado ao passado, os cursos de pedagogia devem começar a formar gente pensando no futuro e verdadeiramente preparada para alçar o Brasil ao ranking que importa- o da excelência

Educação :A maior prioridade no mundo atual



Vive-se num mundo onde se faz necessário, a cada dia, pessoas mais bem educadas. Contudo, os investimentos em educação não se voltam para cobrir essa necessidade. As verbas destinadas à educação ainda são minúsculas ante a grandeza do seu significado. Depois, os educadores são aviltados pelos baixos salários que não lhes permitem, sequer, comprar livros. Nesse cenário de desprestígio, professor pode até ser surrado, em sala de aula, como aconteceu, recentemente, aqui em Rio Branco. Daí surge a pergunta: para que serve a educação? O questionamento não é para atacar ou subestimar o papel da educação para a formação das pessoas. Pelo contrário, é para valorizar esse setor tão carente. A educação deve ser a alavanca central do desenvolvimento, não só no sentido de maximização de recursos financeiros, mas como algo capaz de estimular as potencialidades das pessoas.
É um cansaço observar que para muitos governos o que importa em educação não é propriamente a qualidade ou a sua relevância para a vida das pessoas e para o desenvolvimento do país. É mais importante atender a interesses transitórios, ao invés de colocar recursos em projetos de longo prazo, que não geram dividendos políticos imediatos e não dão visibilidade para votos eleitorais. Não há convicção quanto ao valor estratégico dos investimentos em educação. Para muitos, dinheiro bem aplicado é o do pagamento das dívidas externa e interna, ou na construção de grandes obras como pontes, viadutos, estradas. Porém, essa lógica do atraso, a cada dia que passa, fragiliza-se diante de evidências e fatos que indicam o contrário.
Um estudo realizado pela UNESCO mostra uma relação positiva entre anos de escolaridade e taxa de crescimento de um país. Aponta que investimentos em capital humano, além de terem uma taxa de retorno privada elevada (entre 5% e 15% para cada ano adicional de escolaridade), têm, também, uma taxa de retorno social elevada, que pode atingir de três a quatro vezes as taxas de retorno privadas. Se a taxa de retorno social é mais elevada, o investimento público, em educação, está não apenas justificado, como também se eleva à condição de investimento prioritário, diante da situação social e educacional do país.
Portanto, a educação não é queima de dinheiro. É queima de ignorância. Cabe à UNESCO, como organização especializada das Nações Unidas, nas áreas de educação, ciência, cultura e comunicação, lembrar e insistir sempre: a educação se paga quando suas verbas são bem utilizadas. A educação dá frutos, não na safra do próximo outono, mas ao longo de muito tempo, abrindo os caminhos para os países saírem da pobreza e da periferia. Sem essa visão estadista não será possível romper o círculo que perpetua o atraso e a miséria humana.
Um dos principais pontos que diferencia um país desenvolvido, de primeiro mundo, de um país subdesenvolvido, de terceiro mundo, é o histórico de investimentos realizados em educação e em cultura. Esses investimentos são à base de toda e qualquer sociedade que espera obter sucesso no futuro. Por isso, os países europeus têm um índice de desenvolvimento humano muito maior do que se tem na América Latina. Isso resulta do investimento maciço que a Europa fez, no passado, em cultura e educação. Explica-se porque a Europa é considerada o berço das artes.
Conclui-se dizendo que o compromisso com a Educação é dever de todos, governo, políticos, educadores, sociedade. Esse conjunto irmanado poderá tirar o país do atraso em que está mergulhado, salvar a juventude atual que pouco respeito possui aos valores educacionais. Poderá, também, operar o milagre de salvar milhares de jovens da marginalidade. Educar pessoas é garantir o futuro da nação. Assim, se os planos são para um ano, cultivem-se arroz; se são para dez anos, cultivem-se árvores. Mas se os planos são para a vida de pessoas, daqui a cem anos, cultive-se educação.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário